Laurissilva

26 de Abril a 4 de Maio de 2012

Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
João Catarino
João Catarino
António Coelho
António Coelho
Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
José Paula
José Paula
José Paula
José Paula
António Coelho
António Coelho
João Catarino
João Catarino
César Figueiredo
César Figueiredo
Guida Casella
Guida Casella
Sara Simões
Sara Simões
José Louro
José Louro
Sara Simões
Sara Simões
José Louro
José Louro
Marco Correia
Marco Correia
Guida Casella
Guida Casella
Pedro Mendes
Pedro Mendes
João Catarino
João Catarino
Pedro Salgado
Pedro Salgado
Marcos Oliveira
Marcos Oliveira
Dilar Pereira
Dilar Pereira
Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
Pedro Salgado
Pedro Salgado
Sara Simões
Sara Simões
Pedro Salgado
Pedro Salgado
Pedro Mendes
Pedro Mendes
José Paula
José Paula
José Louro
José Louro
João Catarino
João Catarino
José Louro
José Louro
António Coelho
António Coelho
Guida Casella
Guida Casella
Sara Simões
Sara Simões
António Coelho
António Coelho
Pedro Salgado
Pedro Salgado
Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
Sara Simões
Sara Simões
Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
João Catarino
João Catarino
Henrique Queiroga
Henrique Queiroga
Marcos Oliveira
Marcos Oliveira
António Coelho
António Coelho
Marco Correia
Marco Correia
Pedro Salgado
Pedro Salgado
João Catarino
João Catarino
Filipe Martinho
Filipe Martinho
Marco Correia
Marco Correia
João Catarino
João Catarino
Marcos Oliveira
Marcos Oliveira
José Paula
José Paula
Sara Simões
Sara Simões
José Paula
José Paula
Pedro Mendes
Pedro Mendes
José Paula
José Paula
José Louro
José Louro

As florestas de Laurissilva encontram-se em regiões subtropicais de clima húmido e temperaturas amenas relativamente estáveis durante todo o ano. As espécies arbóreas são sempre verdes e caracterizadas por folhas alongadas e brilhantes que facilitam o gotejamento da água e permitem a transpiração e a respiração. As florestas de Laurissilva já foram dominantes na Europa e em África, mas atualmente ocorrem em pequenos enclaves. Vários destes enclaves ocorrem na Macaronésia, um dos mais importantes na Ilha da Madeira. 

A Floresta de Laurissilva da Madeira é a maior floresta de loureiros sobrevivente em todo o mundo, e foi classificada como sítio natural do Património Mundial da UNESCO. O Grupo do Risco foi convidado pelos municípios da região a produzir um livro que ajudasse a aumentar a percepção pública dos valores naturais deste sítio protegido.

S. Vicente

Os trilhos nas densas florestas de loureiros levam-nos a grutas, miradouros e clareiras. Os túneis das levadas, vias para a água, transportam-nos de uma paisagem a outra, como passagens que ligam espaços e tempos diferentes.

Porto Moniz

No Porto Moniz, o mar agitado acalma-se nas piscinas naturais, e a montanha sobe escarpada até a paisagem vertical da Achada da Cruz. Lá em cima, no planalto do Fanal, os velhos e majestosos Tis, retorcidos pela idade e moldados pelo vento, são espanto para desenhadores e fotógrafos.

Santana

Florestas, levadas e cascatas sucedem-se até ao Caldeirão Verde. Continuando por outros percursos chega-se ao Pico Ruivo, com o negrume da rocha vulcânica submergido nas densas nuvens. Na Fajã do Nogueira novos encontros com Tis centenários.

Participantes:

António Coelho, César Figueiredo, Dilar Pereira, Filipe Martinho, Guida Casella, Henrique Queiroga, João Catarino, José Louro, José Paula, Marco Nunes Correia, Marcos Oliveira, Nádia Torres, Pedro Mendes, Pedro Salgado, Sara Simões

Apoiada por:

Câmara Municipal de São Vicente | Câmara Municipal de Porto Moniz | Câmara Municipal de Santana